terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

nunca esqueci o teu nome. disseram-mo antes de ti. numa noite de há cinco anos atrás.

com ele, a tua idade (trinta e poucos anos) e o crédito dos teus dias e noites. vendias o corpo para sustentar dois filhos e um marido toxicodependente.
conheci-te logo de seguida. os teus olhos verdes, banhados de armagura. eras então muito mais velha do que minutos antes, quando soube a tua idade. a tua face enrugada. as tuas vestes tresandando a esperanças perdidas. e sorriste, com todos os teus dentes podres. sorriste.
de todas as mulheres que conheci, num trabalho final de curso, foste aquela de quem trouxe o nome e o rosto.
e hoje do lado de cá do vidro, esbarro na rua contigo. eram três da tarde. estavas sentada no mesmo Largo de há cinco anos. onde continuas à espera de um qualquer cliente. novo, habitual.
fazer render o dia, vendendo a tristeza dos teus dia a retalho. e com ela o teu sexo.
não sei dizer-te porquê Rosa, mas o teu nome hoje andou comigo pelas ruas. fez eco dentro de mim.
tu. mulher, de olhos verdes, mulher.
nome de flor, mulher.

2 comentários:

Maria disse...

Rosa
Maria
Queen
Libera
Somos todas as mesmas.
voltinha ta ba, voltinha ta bem,tud quel mê.
beijos, adorei.

Queen Frog disse...

Maria,

Custou-me tanto escrever esta carta.Hesitei tanto em publicar.
Fiquei com sentimentos pendurados.
Com nozinhos dentro.
Depois de me ter cruzado com a Rosa, fui para um café e desatei a escrever.Mas acho que um dia destes ainda vou ter que voltar a esta carta:)
Beijos